Antes que Cases - Machado de Assis

Antes que Cases

Antes que Cases

Machado de Assis

Sinopse:
"Antes Que Cases" é um conto de nove capítulos, escrito por Machado de Assis e publicado originalmente no "Jornal das Famílias", de julho a setembro de 1875.

Joaquim Maria Machado de Assis, nascido em 1839, é considerado o maior nome da literatura nacional. Foi poeta, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário. Sua obra constitui-se em nove romances e peças teatrais, 200 contos, cinco coletâneas de poemas e sonetos e mais de 600 crônicas. Morreu em 1908, aos 79 anos de idade.

Resenha por Alecrides Jahne:
Nunca fui muito otimista quando o assunto é casamento. Não é apenas por não acreditar em contos de príncipes encantados. Apesar de que a mais bela e assustadora história de amor que já li foi “Ali e Nino”, do Kurban Said. E sim, a leitura pode influenciar muito a formação de alguém. Até os meus quinze anos, fui a mais absurda sonhadora nos assuntos do amor. Quando encontrei Machado de Assis. Ele destruiu o encanto infantil dos contos de fadas. E eu havia lido muitos.

“Dom Casmurro” não é para todos. A sagaz e dissimulada Capitu não era bem uma cinderela, nem uma bruxa má do conto da branca de neve. Estava mais para aquelas personagens femininas pensadas para enganar James Bond. A Dalila da bíblia. A serpente do Éden. Erva venenosa! AHAHAH.

O fato é que a minha opinião sobre o meu gênero já não era das boas, e ficou pior. Já tinha visto mulher mentir na cara de pau e inventar histórias pra boi dormir. E eu nem era tão velha... Meu caro leitor, quem pensa que no bom e velho primário as crianças são todas inocentes, engana-se. É lá mesmo que a escola da maldade escolhe os seus prediletos.

Enfim, “Antes que cases” lembrou-me “Dom Casmurro”. Não que Capitu fosse assaz gastadeira como a moça do primeiro caso. O problema é que o rapaz esmerou-se na corte da moça, meses a fio, para no fim descobrir-se picado por uma cobra venenosa. Antes só do que mal acompanhado! Pobre Alfredo! A Ângela de anjo não tinha nada além da aparência.

Assim como Capitu, Ângela é sedutora pelos encantos. A aparência angelical é uma caixa de Pandora. É preciso apostar alto, ou nada feito. E o resultado é quase certo. Para aqueles que não leram, e ainda são solteiros, sugiro que leiam. Afinal, casamento não é um mar de rosas, nem um conto de fadas. É uma sociedade onde ambas as partes apresentam suas propriedades e os benefícios que podem proporcionar. A paixão é o ingrediente perfeito para a associação de um tolo Bentinho, ou Alfredo, a uma dissimulada Capitu, ou a uma hipócrita Ângela.

Sei que Machado não deixa de ter seus créditos, mas há que se ter uma caricatura representando os 'Escobar' da vida. Pois existem, aos montes Capitus travestidas de boa moça. Em todo caso, o resultado é esse: casamento é um problema onde só a verdade pode pôr termo à ilusão, e, consequentemente, à bancarrota.

Sobre o Autor:
Biografia de Machado de Assis

Descrição do livro:
Páginas: 15




Recomendação: