Cartas Chilenas - Tomáz Antônio Gonzaga

Cartas Chilenas - Tomáz Antônio Gonzaga

Cartas Chilenas

Tomáz Antônio Gonzaga

Sinopse:
O cenário é Vila Rica, Minas Gerais, 1798, alguns anos antes da Inconfidência Mineira. Uma série de poemas satíricos começa a circular pela cidade, no formato de cartas trocadas entre dois amigos: Citrilo, habitante de Santiago do Chile, e o amigo Doroteu, residente na Espanha. As cartas revelam críticas ferozes contra a forma de governo corrupta de Fanfarrão Minésio. Tomás Antonio Gonzaga faz uso de sua forma mais satírica e debochada de redação para pôr em cheque a mediocridade administrativa do, na época, Governador de Minas Gerais, Luis da Cunha Meneses. Escritos em versos decassílabos brancos (sem rimas), os poemas mostram a genialidade do autor e se estabelecem como a obra satírica mais importante do século XVIII no Brasil. Recheados de críticas ferrenhas contra a mediocridade do governo da época, Cartas Chilenas se mantém atual e um clássico da Literatura Brasileira.

Sobre o Autor:
Tomás Antônio Gonzaga, poeta, advogado, juiz, nasceu na cidade do Porto, em Portugal, a 11 de agosto de 1744 e faleceu na Ilha de Moçambique, onde cumpria pena de degredo, em fevereiro de 1807.

Era filho do brasileiro Dr. João Bernardo Gonzaga e de D. Tomásia Isabel Clark. Passou alguns anos da infância no Recife e na Bahia onde o pai servia na magistratura e, adolescente, retornou a Portugal a fim de completar os estudos, matriculando-se na Universidade de Coimbra na qual concluiu o curso de Direito aos 24 anos.

Depois de formado exerceu Gonzaga alguns cargos de natureza jurídica, já tendo advogado em várias causas na cidade do Porto. Candidatou-se a uma Cadeira na Universidade de Coimbra, apresentando uma tese intitulada Tratado de Direito Natural. Em 1778 foi nomeado juiz-de-fora na cidade de Beja, com exercício até 1781. No ano seguinte é indicado para ocupar o cargo de Ouvidor Geral na comarca de Vila Rica (Ouro Preto), na Capitania de Minas Gerais.

A permanência em Vila Rica estendeu-se até o ano de 1789, quando foi envolvido na famosa Inconfidência Mineira. Em maio do referido ano, acusado de participação na conspiração, é detido e, sem maiores formalidades, e remetido preso para o Rio de Janeiro.

Descrição do livro:
Páginas: 74
Gênero: Ficção
Idioma: Português



Recomendações: