A Paranoia - Julio de Mattos

A paranoia - Julio de Mattos

A Paranoia

Julio de Mattos

Prefácio:
"Ao passo que na sua maioria as doenças hoje estudadas pelos alienistas pertencem no fundo á patologia interna, e só pelo predomínio, mais aparente ás vezes do que real, dos seus sintomas psíquicos se apropriaram a designação de _mentas_, os delírios sistematizados, esses, pela ausência de características lesões, pela falta de privativas causas determinantes e pela carência de sintomas funcionais objetivamente apreciáveis, constituem a verdadeira loucura, a psicose por excelência, n'uma palavra, o próprio e irredutível domínio da psiquiatria.

Isto é dizer que a observação clinica não pode, ela só, determinar a gênese d'estes delírios, pois que o confronto dos dados psíquicos com os somáticos e etiológicos é, no caso sujeito, impraticável.

Foi, todavia, pelo exclusivo exame do hipocondríaco, do perseguido, do ambicioso, que os alienistas buscaram até ha pouco surpreender a patogenia dos delírios essenciais. D'aqui o natural insucesso dos seus trabalhos, melhor do que nunca evidenciado nos últimos debates das sociedades psiquiátricas de Paris e de Berlim, em que se não fez, por confissão dos próprios oradores, mais do que obscurecer e confundir o problema posto.

Por outro caminho,--introduzindo no controvertido tema a critério da evolução, seguiram, felizmente, na Itália contemporânea eminentes psiquiatras.

Inquiridos clinicamente os delírios essenciais nos seus sintomas e na sua marcha, uma coisa resta ainda fazer para os interpretar: o estudo do delirante, considerado, não em si mesmo, como individuo, ou nos seus ascendentes imediatos, como membro de uma certa família, mas antropologicamente na sua vasta ancestralidade, como representante de uma especie em plena evolução."
[...]

Descrição do livro:
Páginas: 105
Gênero: Psicologia
Idioma: Português



Recomendações: