Gilberto Freyre - Mário Hélio Gomes de Lima

Gilberto Freyre - Mário Hélio Gomes de Lima

Gilberto Freyre

Mário Hélio Gomes de Lima

Trecho do livro:
Gilberto Freyre construiu uma obra que foi uma tentativa de unir conhecimento e realidade. A partir de uma abordagem original, sem curvar-se a teorias alheias ou a modismos. Não só tratou de encontrar um enfoque novo, ambicionou uma ‘ciência’ brasileira, tropical, com métodos, temas e pontos de vista próprios. Os textos que escreveu levando à prática tudo isso estão marcados por um estilo em que a vivacidade da linguagem se destaca. No entanto, não foi a partir do improviso que logrou compor os seus livros, e sim de uma sólida educação, desenvolvida principalmente nos Estados Unidos. Se o espírito que o animava nutria-se da curiosidade inata em cientistas, ele cuidou de materializá-la de forma artística e literária.

Nunca se sentiu atraído pelo que em ciência veste as mais severas indumentárias acadêmicas e em literatura as ‘túnicas’ das retóricas convencionais. Talvez por isso haja se definido, com certa ironia, como “escritor ordinário e professor extraordinário”. A malícia da frase tem a vantagem adicional para os que não reconhecem uma possível contribuição do sociólogo à educação brasileira. Nele a educação não se separa da ação cultural. O educador não se desliga intelectual.

O intelectual não se divorcia do político. O político não se olvida o quanto de anárquico haverá num escritor que analisava com o mesmo à vontade o país e os pais, os avós e o mundo à volta, os outros e a si. Todo livro é um espelho, se tem razão Lichtenberg. Nos exercícios de síntese em que se notabilizou há tanto de projeção do inserto Eu no Outro – como é frequente em antropólogos – quanto de incerto Outro no Eu – rotina dos escritores. Ou vice-versa. Nisso reside muito da empatia que era um dos aspectos mais importantes da sua forma de conceber o trabalho científico.

Uma empatia assim se converte num espelho duplo em que a ciência seduz com arte. A arte, como a pensava Tolstoi, ação consciente de tentar, por meio de signos exteriores, contagiar os outros com os sentimentos pensados, imaginados ou vividos pelo artista. Experiência e experimentação são transmitidas e transmissíveis como certas enfermidades.

Descrição do livro:
Páginas: 160
Gênero: Educação
Idioma: Português



Recomendações: