As Cartas de Amabed - Voltaire

As Cartas de Amabed - Voltaire

As Cartas de Amabed

François-Marie Arouet (Voltaire)

Sinopse:
Voltaire é surpreendente. Nunca chega ao superficial, seja qual for o texto. Às vezes é mais cuidadoso e profundo, em outras mais leve, mas é sempre ele. Não se pode dizer o mesmo, por exemplo, de Shakespeare. Macbeth, Romeu e Julieta ou A Megera Domada parecem escritos por pessoas diferentes. Há letristas (aqueles que fizeram curso de Letras) assegurando que Shakespeare era mais de um ou nenhum deles. Ora, continuem a fazer suas classificações, compliquem a gramática que já conhecíamos, mas deixem o maior dos dramaturgos em paz e, por favor, não incomodem Voltaire; a réplica pode ser fatal.
As cartas de Amabed carregam o mesmo estilo do pensador, que as obras didáticas insistem em classificar entre os iluministas e racionalistas (custaria ler com um pouco mais de cuidado?).
Falando a sério: século XVIII, na Inglaterra, explodiam os romances em forma de correspondência. Voltaire não simpatizava muito com essa moda, escreveu Abamed como paródia do gênero literário e o fez com a genialidade que lhe era peculiar; valorizou o estilo.

Descrição do livro:
Páginas: 37
Gênero: Filosofia
Idioma: Português



Recomendações: