Iracema - José de Alencar

Iracema pdf epub mobi download

Descrição do livro

Título: Iracema
Autor: José de Alencar
Páginas: 120
Idioma: Português
Tipo: Livro Digital
Formatos: Epub, Mobi, PDF
Licença: Domínio Público
Avaliação:

Informações/Resumo

A lenda de Iracema, uma índia do povo dos Tabajara que se apaixona por Martim, um explorador português, contada numa história de amor sobre as origens do estado brasileiro do Ceará e do próprio Brasil.

Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna.

Publicado pela primeira vez em 1865, “Iracema”, a obra de José de Alencar, apesar de curto, é um dos mais belos romances da literatura brasileira e um exemplo perfeito do que se entende como um Romance Poético ou um Poema em Prosa, na medida em que a descrição narrativa empregue usa a conjugação do ritmo musical das palavras com uma comparação bucólico entre as personagens e ações para dar um tipo de musicalidade ao texto, que se encontra mais na poesia do que na prosa.

A história decorre no início do século XVII, um século depois da chegada dos portugueses a terras brasileiras mas que só então estavam a começar a sua expansão pelo território.

Este lapso de tempo entre a chegada e a expansão territorial tem explicação: Portugal ainda não tinha visto as potencialidades que o novo mundo lhe poderia trazer e preferiu durante muito tempo priorizar a conquista de territórios no Oriente e reforçar aí as rotas marítimas. Nos primeiros anos, as únicas atividades em território brasileiro limitaram-se à extração do pau-brasil nas regiões costeiras do país, tendo para isso colaboração dos índios, em troca de alguns produtos e utensílios. Depois, com a morte prematura de D. Sebastião e a tomada do trono por Filipe II de Espanha (por legitimidade sucessória), a exploração do novo território entrou em estado de impasse, pois os três Filipes que também reinaram sobre Portugal preferiram concentrar meios e fundos a combater os Maias na América Central que, como estavam organizados num império, souberam dar-lhes luta aguerrida.

No entanto, aconteceu que nações como a França e a Holanda quiseram também reivindicar o direito sobre terras do novo mundo, ao sul, sob o principio de “uti possidetis” (possessão por uso). Foi isto, claro, que fez com que se acelerasse a expansão territorial brasileira, com o envio de exploradores e guerreiros em expedições de reconhecimento pelo território de modo a assegurar a reivindicação lusa sobre as terras. Estes homens tinham como objectivo mapear as regiões, estabelecer contacto com os nativos, encontrar locais propícios ao estabelecimento de povoações coloniais e, sobretudo, impedir a tomada de terras pelos Franceses e Holandeses.

Um desses exploradores coloniais foi Martim Soares, mandado pela Coroa desbravar a região nordeste. Entre 1603 e 1612 ele percorreu o território, tomou contacto com povos nativos, viveu entre eles e aprendeu a sua língua e costumes, fazendo alianças que viriam depois a tornar-se importantíssimas no combate entre Franceses e Holandeses.

É neste período histórico que se situa esta lenda, contada por José de Alencar, sobre a relação da índia Iracema e de Martim. Mas apesar de Alencar se ter baseado em factos da vida de Martim Soares, tal como, por exemplo, a sua relação de amizade com o índio Poti, que existiu realmente, o mesmo não se pode dizer de Iracema. Tenha ele ou não conhecido “uma Iracema”, o certo é que nunca o deixou registado.

Iracema, é uma personagem metafórica, a começar pelo próprio nome pois “Iracema” é um anagrama de “América”. Ela representa o estado virgem da região brasileira, sendo, inclusive, constantemente comparada a elementos da natureza. Já Martim representa o colonizador europeu, o arauto e, ao mesmo tempo, o germinador de um período de transformação para a região. A junção dos dois serve de alegoria à formação da nação brasileira, como nação e como povo.

É uma grande obra, inserido no grupo de histórias, reais ou aficionadas sobre a relação entre duas personagem de terras e culturas diferentes em que decorrem os temas de choque civilizações e de amores impossíveis.

Comentários de leitores

0Comentários