Conto 'Farruz e Sua Esposa' - As 1001 Noites

ler online Farruz e Sua Esposa

As 1001 Noites 

Farruz e Sua Esposa 

Conta-se que certo rei estava sentado um dia no terraço de seu palácio quando viu, no terraço da casa oposta, uma mulher cuja beleza não tinha igual entre as mulheres. O rei perguntou: – A quem pertence essa casa?" Responderam-lhe:

– A teu servidor Farruz, e essa mulher é a sua esposa."

O rei desceu do terraço, embriagado por uma súbita paixão. Chamou Farruz e disse-lhe: – Pega esta carta e vai entregá-la em tal cidade e volta com a resposta.

Farruz pegou a carta e, de volta a casa, colocou-a sob o travesseiro. Pela manhã, despediu-se da mulher e dirigiu-se para a cidade, sem suspeitar das intenções do rei. Assim que o viu partir, o rei disfarçou-se e foi bater na porta da casa de Farruz. A mulher abriu-lhe.

– Vim visitar-te, disse o rei. Ela sorriu e respondeu:

– Refugio-me em Alá desta visita. Pois não vejo nela nada de bom.

Retrucou o rei:

– Sou o amo de teu marido. Parece que não me conheces.

Respondeu ela com determinação:

– Com certeza conheço-te. És o soberano de meu marido e meu soberano também. Também entendi a tua manobra, e sei o que queres de mim. E para te provar que compreendo o que te traz, vou recitar para ti estes versos do poeta:

Não trilharei o caminho da fonte

se outros podem colar os lábios na rocha úmida.

Jogarei fora as melhores carnes,

se for dado às moscas partilhá-las comigo.

– Com certeza conheço-te. És o soberano de meu marido e meu soberano também. Também entendi a tua manobra, e sei o que queres de mim. E para te provar que compreendo o que te traz, vou recitar para ti estes versos do poeta:

Não trilharei o caminho da fonte

se outros podem colar os lábios na rocha úmida.

Jogarei fora as melhores carnes,

se for dado às moscas partilhá-las comigo.

Depois de recitar os versos, a esposa de Farruz acrescentou:

– E tu, ó rei, beberás da fonte onde outros pousaram os lábios antes de ti?

O rei escutou-a com estupefação, voltou as costas sem dizer uma palavra e fugiu daquela casa com tamanha precipitação que deixou uma de suas sandálias no chão atrás de si.

Ora, Farruz deu-se conta no meio do caminho que esquecera a carta do rei sob o travesseiro, e voltou para apanhá-la. Vendo a sandália do rei, compreendeu por que tinha sido enviado a cidade tão longínqua, apanhou a carta em silêncio e saiu sem deixar a esposa perceber a sua volta. Após cumprir a missão, apresentou-se ao rei, que o recompensou com cem dinares. Farruz levou os cem dinares ao mercado dos joalheiros, comprou magníficos ornamentos que ofereceu à mulher, dizendo: – Estes são uma lembrança da viagem. Pega-os e tudo que te pertence e volta para a casa de teus pais.

– Assim farei, disse a mulher sem nada perguntar ou comentar. Adornou-se com as jóias, apanhou seus pertences e foi para a casa dos pais. Quando um mês se passou sem que Farruz procurasse a mulher, o irmão desta visitou-o e disse-lhe:

– Se não queres revelar o motivo de tua cólera contra tua esposa e o abandono em que a deixas, terás que te explicar diante do rei.

O marido concordou, e foram juntos à presença do rei. O rei transferiu-os ao cádi que estava sentado a seu lado. O cunhado disse:

– Que Alá assista o nosso senhor cádi! Eis a minha queixa: eu e minha família possuíamos um lindo jardim, protegido por altos muros, cuidado e plantado de flores aromáticas e de árvores frutíferas. Entregamo-lo a este homem. E ele, depois de colher as flores e comer as frutas, e depois de demolir os muros e abandonar o jardim aos quatro ventos, quer romper o contrato e devolver-nos o jardim no estado em que o pôs. Tal é nossa queixa, ó nosso senhor cádi.

– O cádi perguntou a Farruz:

– Que tens a dizer, ó jovem?

Farruz respondeu:

– Devolvo-lhes o jardim com vontade e sem vontade! O motivo desta restituição é que, um dia, entrei no jardim e vi nele as pegadas de um leão. Tive medo de que, um dia, ele acabe por me devorar.

O rei prestava atenção sem o deixar perceber. Ao ouvir as palavras de Farruz, compreendeu-lhes o sentido e o alcance e interveio, dizendo a seu servidor:

– Ó Farruz, acalma teu coração e apazigua tuas dúvidas. Pois, pela verdade e pela santidade do Islã, é o jardim mais bem defendido que encontrei em toda minha vida. Suas muralhas o protegem contra qualquer assalto. E suas flores são as mais belas que já vi.

Farruz compreendeu e fez a paz com a mulher e amou-a. Nem o cádi nem as demais pessoas presentes compreenderam de que se tratava. Pela forma alegórica dada ao pensamento de cada um, o segredo ficou limitado ao rei, a Farruz e ao irmão da esposa.

Postar um comentário

0 Comentários